quarta-feira, 23 de março de 2011

NO FUTURO

Emmanuel

"E não mais ensinará cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo:
-- Conhece o Senhor! -- porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior."
Paulo (Hebreus, 8:11)

Quando o homem gravar na própria alma
Os parágrafos luminosos da Divina Lei,
O companheiro não repreenderá o companheiro,
O irmão não denunciará outro irmão.
O cárcere cerrará suas portas,
Os tribunais quedarão em silêncio.
Canhões serão convertidos em arados,
Homens de armas volverão à sementeira do solo.
O ódio será expulso do mundo,
As baionetas repousarão,
As máquinas não vomitarão chamas para o incêndio e para a morte,
Mas cuidarão pacificamente do progresso planetário.
A justiça será ultrapassada pelo amor.
Os filhos da fé não somente serão justos,
Mas bons, profundamente bons.
A prece constituir-se-à de alegria e louvor
E as casas de oração estarão consagradas ao trabalho sublime da fraternidade suprema.
A pregação da Lei
Viverá nos atos e pensamentos de todos,
Porque o Cordeiro de Deus
Terá transformado o coração de cada homem
Em tabernáculo de luz eterna,
Em que o seu Reino Divino
Resplandecerá para sempre."

por Emmanuel, do livro Pronto Socorro, Francisco Cândido Xavier, editora CEU
 

PROSSEGUE TRABALHANDO

Emmanuel 

          Por vezes, eis que te queixas de solidão e alegas longo tempo de serviço.
          Em te ouvindo, é provável surja alguém a oferecer-te novas condições de vida, afirmando que careces de refazimento e repouso. Pessoas queridas te falarão das ações que já realizaste e te dramatizarão a fadiga passageira, convidando-te a residir, junto delas.
          Agradece aos que se interessam por teu bem-estar, mas reflete na lei da mudança que tudo transforma. E se queres realmente a verdadeira paz com a independência possível, continua trabalhando.


Livro- “Pronto Socorro” – Autor – Emmanuel – Psicografia – Francisco Candido Xavier.
Digitado por Doris Day.

domingo, 20 de março de 2011

NÃO NOS DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO

Meimei

A Bondade Infinita de Deus não permitirá que venhamos a cair sob as tentações, mas, para isso, é necessário que nos esforcemos, colaborando, de algum modo, com o auxilio incessante de Nosso Pai.
Há leis organizadas para beneficio de todos, mas, se não as respeitarmos, como poderemos contar com a proteção delas, em nosso favor?
Sabemos que o fogo destrói. Por isso mesmo, não devemos abusar dele.
Não podemos rogar o socorro divino para a imprudência que se repete todos os dias.
Se um homem estima a preguiça, não atrairá as bênçãos que ajudam aos cultivadores do trabalho.
Se uma pessoa vive atirando espinhos à face dos outros, como esperará sorrisos na face alheia?
É indiscutível que a Providência Divina nos ajudará constantemente, livrando-nos do mal; entretanto, espera encontrar em nós os valores da boa-vontade.
Não ignoramos que o Pai Celestial está sempre conosco, mas, muitas vezes, somos nós que nos afastamos do Nosso Criador.
Para que não venhamos a sucumbir sob os golpes das tentações, é indispensável saibamos procurar o bem, cultivando-o sem cessar.
Não há colheita sem plantação.
Certamente, devemos esperar que Deus nos conceda o "muito" de seu amor, mas não olvidemos que é preciso dar "alguma coisa" do nosso esforço.


Francisco Cândido Xavier,   Da obra: Pai Nosso.  Ditado pelo Espírito Meimei.

PACIÊNCIA DE USO EXTERNO

André Luiz

Indiscutìvelmente, a paciência, qualquer que seja a expressão em que se manifeste, vem a ser atitude benéfica por assustar a explosão de males imprevisíveis.
Em muitos casos, no entanto, apenas depois da desencarnação é que verificamos existir um tipo de paciência que, às vezes, ajuda ao próximo e que, por isso, não deixa de possuir o seu mérito, mas não nos favorece como julgamos.
É uma espécie de meia-paciência que se exprime exclusivamente nos processos de luta e provação em que a pessoa se sabe observada e louvada por admiradores e amigos, com o risco de converter o valor moral em vaidade encoberta.
Sem dúvida, que nos cabe resguardar a serenidade própria, à frente de quaisquer dificuldades, pequenas ou grandes, ocultas ou vistas, todavia, convém acautelar-nos contra a meia-paciência, suscetível de se desdobrar, de instante para outro, na hipertrofia do amor-próprio, transfigurando dignidade pessoal em orgulho.
Essa calma de metade somente aparece nas dores consideradas honrosas para a vítima.
As criaturas ameaçadas por semelhante perigo, sabem sempre tolerar com um sorriso bem posto o escárnio das inteligências reconhecidamente mal-intencionadas do ponto de vista público, porque isso lhes consolida a superioridade ante o senso comum, no entanto, não agüenta, caladas, a alfinetada de um parente menos feliz.
São capazes de doar cem mil cruzeiros (Reais) a uma campanha de beneficência que congregue personalidades importantes, contudo, não deixam de acompanhar com alguma repreensão o vintém (centavo) que entregam à porta ao mendigo que imaginam em condições reprováveis.
Perdem nobremente numa contenda no foro, onde observadores cultos lhes inspecionam os modos, mas irritam-se em família ao serem contraditadas em singelas opiniões.
Testemunham extremada abnegação na residência de companheiros e recusam indignadas o servicinho da limpeza na própria casa.
Precavemo-nos contra a paciência de uso externo.
Paciência real, paciência firme é aquela que sabe sofrer dignamente diante dos outros ou a sós consigo, na rua ou no lar, carregando o ouro da consideração humana ou a pedra das pequeninas humilhações da existência, auxiliando para o bem dos outros, em todas as situações, onde e como a Lei de Deus apontar e quiser.

Do livro Sol nas Almas. Psicografia de Waldo Vieira.

RECLAMAR MENOS

 Emmanuel

 “Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam,
assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a lei e os profetas"
- Jesus (Mateus, 7:12).

         Para extinguir a cultura do ódio nas áreas do mundo, imaginemos como seria melhor a vida na terra se todos cumpríssemos fielmente o compromisso de reclamar menos.
         Quantas vezes nos maltratamos, reciprocamente, tão só por exigir que se realize, de certa forma, aquilo que os outros só conseguem fazer de outra maneira!     De atritos mínimos, então partimos para atitudes extremas. Nessas circunstâncias, costumamos recusar atenção e cortesia até mesmo àqueles a quem mais devemos consideração e amor; implantamos a animosidade onde a harmonia reinava antes; instalamos o pessimismo com a formulação de queixa desnecessária ou criamos obstáculos onde as grandes realizações poderiam ter sido tão fáceis. Tudo porque não desistimos de reclamar, - na maioria das ocasiões, - por simples bagatelas.
         De modo geral, as reivindicações e desinteligências reportam, mais freqüentemente, entre aqueles que a Sabedoria Divina reuniu com os mais altos objetivos na edificação do bem, seja no círculo doméstico, seja no grupo de serviço ou de ideal. Por isso mesmo, os conflitos e reprovações aparecem quase sempre no mundo, nas faixas de ação a que somos levados para ajudar e compreender. Censuras entre esposo e esposa, pais e filhos, irmãos e amigos. De pequenas brechas se desenvolvem os desastres morais que comprometem a vida comunitária desentendimentos, rixas, perturbações e acusações.
         Dediquemos à solução do problema as nossas melhores forças, buscando esquecer-nos, de modo a sermos mais úteis aos que nos cercam, e estejamos convencidos de que a segurança e o êxito de quaisquer receitas de progresso e elevação solicitam de nós a justa fidelidade ao programa que a vida estabelece em toda parte, a favor de nós todos: reclamar menos e servir mais.

 Livro: Segue-me. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
 

sábado, 19 de março de 2011

O ESTRANHO CANSAÇO

André Luiz

Quando você estiver pensando:
nas hostilidades do mundo...
nas aflições capazes de surgir...
nos erros das pessoas queridas...
na desorientação de algum parente...
nos críticos que lhe observam a estrada...
na angústia que lhe ensombra o coração...
no desprezo de que se crê vítima...
nas ingratidões que supõe haver sofrido...
na deserção de algum ente amado...
nos seus próprios desejos desatendidos...
Não se admita em doença grave, nem julgue que você esteja querendo socorrer o mundo ou melhorá-lo.
Com semelhantes problemas você apenas demonstra que se cansou de estar unicamente em si mesmo, na concha do "eu", em que se isola.
Quando isso estiver acontecendo consigo, você tão-somente sofre de cansaço emocional e, para curar-se, basta uma indicação:
-  Busque esquecer-se, fuja de si mesmo, reflita nos problemas dos companheiros em dificuldades maiores que as nossas e procuremos trabalhar.

De “Respostas da Vida”, de Francisco Cândido Xavier

quinta-feira, 17 de março de 2011

A PALAVRA DE JESUS

Meimei

Reunião de 6 de outubro de 1955.
Na parte final de nossas tarefas, tivemos a alegria de ouvir Meimei, a nossa abnegada irmã de sempre, que nos falou, comovida, sobre a palavra de Jesus.

Meus irmãos.

Deus nos abençoe.
A palavra do Cristo é a luz acesa para encontrarmos na sombra terrestre, em cada minuto da vida, o ensejo divino de nossa construção espiritual.
Erguendo-a, vemos o milagre do pão que, pela fraternidade, em nós se transforma, na boca faminta, em felicidade para nós mesmos.
Irradiando-a, descobrimos que a tolerância por nós exercida se converte nos semelhantes em simpatia em nosso favor.
 Distribuindo-a, observamos que o consolo e a esperança, o carinho e a bondade, veiculados por nossas atitudes e por nossas mãos, no socorro aos companheiros mais ignorantes e mais fracos, neles se revelam por bênçãos de alegria, felicitando-nos a estrada.
Geme a Terra, sob o pedregulho imenso que lhe atapeta os caminhos...
Sofre o homem sob o fardo das provações que lhe aguilhoam a experiência.
E assim como a fonte nasce para estender-se, desce o dom inefável de Jesus sobre nós para crescer e multiplicar-se.
Levantemos, cada hora, essa luz sublime para reerguer os que caem, fortalecer os que vacilam, reconfortar os que choram e auxiliar os que padecem.
O mundo está repleto de braços que agridem e de vozes que amaldiçoam.
Seja a nossa presença junto dos outros algo do Senhor inspirando alegria e segurança.
Não nos esqueçamos de que o tempo é um empréstimo sagrado e quem se refere a tempo diz oportunidade de ajudar para ser ajudado, de suportar para ser suportado, de balsamizar as feridas alheias para que as nossas feridas encontrem remédio e sacrificarmo-nos pela vitória do bem, para que o bem nos conduza à definitiva libertação.
Nós que tantas vezes temos abusado das horas para impor, aos que nos seguem, o Reino do Senhor, à força de reprovações e advertências, saibamos edificá-lo em nós próprios, no silêncio do trabalho e da renúncia, da humildade e do amor.
Meus irmãos, no seio de todos os valores relativos e instáveis da existência humana, só uma certeza prevalece – a certeza da morte, que restitui às nossas almas os bens ou os males que semeamos nas almas dos outros.
Assim, pois, caminhemos com Jesus, aprendendo a amar sempre, repetindo com Ele, em nossas proveitosas dificuldades de cada dia: - <<Pai Nosso, seja feita a vossa vontade, assim na Terra como nos Céus.>>
  Do livro Vozes do Grande Além. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.


terça-feira, 15 de março de 2011

AMIZADE



Meimei

Contam as tradições da Vida Espiritual que o apóstolo João, em  se retirando Jesus da ceia que lhe precedeu o encarceramento, perguntou-lhe, agoniado:
" Senhor, por que predizes a nossa separação?  Por que nos deixarás, segundo profetizas?
Acompanho-te os passos e ouço-te as preparações, não porque busque fortuna ou poder, influência ou renome... 
É que encontrei contigo o que buscava, a compreensão e o amor fraterno, a simpatia e o conhecimento... 
"Senhor, não nos abandones, precisamos de tí..."
O Cristo afagou-lhe a cabeça e passou a novas instruções, dentre as quais, afirmou:
"Já não vos chamareis servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor, mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouví de meu Pai vos tenho feito conhecer".
(João - 15:15)

domingo, 13 de março de 2011

"Felizes os puros de coração, pois verão a Deus"

"Jesus ensinou que as pessoas espiritualizadas relacionam-se de coração para coração. O entendimento emocional cria um vínculo. Nós nos sentimos aprovados quando os outros concordam intelectualmente conosco, e somos confortados quando eles nos protegem fisicamente, mas só nos sentimos ligados quando compartilhamos com eles experiências emocionais".



Fonte: Jesus. O maior psicólogo que ja existiu. Mark W. Baker.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Bilhetinho de Amigo

Humildade, oração, paciência e confiança.

Nada há que se não resolva para o bem,
quando se roga com sinceridade o amparo divino.

Mantém a calma e a boa vontade para com as pessoas e as situações
e o melhor se fará em proveito de todos.

Permite-me, irmão, insistir em que a humildade ligada à prece do coração
e a paciência envolta em confiança simbolizam a chave para a solução dos problemas que te surjam na estrada.

Paciência e confiança em Deus!

(Camilo Chaves, psicografia de Giva Oliveira, livro Em Nome de Jesus)

terça-feira, 8 de março de 2011

Dia Internacional da Mulher

As Amigas,

Parabéns pela escolha ou aceitação,
De vir mulher, nessa reencarnação.
Somos filhas, irmãs, tias, avós, bisavós, namoradas, noivas, esposas, colegas, amigas...
Mas o papel especial é o de ser mãe.
Sentir no corpo e na alma o poder da co-criação,
Participar desde a geração,
Do retorno de um irmão ou, então,
Recebê-lo, em algum momento, com o coração.
Ser mulher é um misto de emoções, durante toda a vida
E a razão nos confirma que existimos para amar
E essa é a nossa grande missão!
Felicidades Sempre!

segunda-feira, 7 de março de 2011

Agradecimento

Aos Novos Amigos,

É com alegria na alma,

Que aceito estar nessa Praça.
Acredito no valor da Amizade,
Como instrumento Divino a nos impulsionar,
Na Caminhada Fraterna,
Para a grande meta da vida - Amar.

domingo, 6 de março de 2011

A missão do espírito

…Os Espíritos se regozijam a cada novo passo de progresso da ciência humana, porque dos seus labores, das suas dedicações brotará o conhecimento superior que felicitará os núcleos de criaturas, porquanto ficará patente, plenamente evidenciada a grande missão do Espírito como elemento criador, organizador e conservador de todos os fenômenos que regulam a vida material
(Pelo espírito Emmanuel)

"NA VIDA"

Doa-te ao bem.
Nasces, a cada novo dia, quando despertas para dar amparo a quem vive junto de ti.
Crias, com o próprio Criador, a vida à tua volta, quando deixas que os atos de amor marquem a tua existência.
Cresces, no sentido espiritual da vida, quando te deixas envolver por um clima de tão profunda piedade pelo que sofre, que teus olhos são mares d’água a anunciar um novo tempo de edificação da alma.
Perdoas a quem te fere e segue a abençoar a mão que te feriu, porque sabes que este que te alcançou não dispunha de outra forma de te pedir socorro, a não ser ferindo.
Olhas a família e vês o teu futuro de atividades intensas para atenderes a todos.
Amas e, pelo amor, Deus te delega o mandato para começares a ordenar na vida, como o Pai Celestial ordena na Eternidade.
Doando-te, receberás o que deres, porque a vida é um espelho que te reflete e que te reproduz, para que sejas amanhã, melhor do que és nesta hora.
Amas e viverás.
Sê caridoso e criarás a vida.

Mensagem do livro “Fabiano de Cristo: O Peregrino da Caridade”, Roque Jacinto.

Mensagem da amiga Paula Renata

terça-feira, 1 de março de 2011

"Belo"

video

"A LÁGRIMA"

A LÁGRIMA

Vêde a chuva caindo com carinho,
Sobre o vosso jardim um tanto agreste.
Cai, cai, gota celeste.
Trabalha o coração da terra dura, devagarinho,
Para que dela nasçam a fartura,
Os mais lindos botões de perfumadas rosas.
Rubras rosas brotadas entre espinhos!
Gota maravilhosa,
A lágrima, também,
Ao regar nossos áridos caminhos,
Produz um grande bem!
Se a vossa lágrima for pura (se nela não puserdes gotas de ódio...)
Belíssimo episódio haveis de ver, pois pouco a pouco as vossa dores,
Hão de se transformar em delicadas flores
De eterna formosura!
As rosas têm espinhos, ah! Estas flores não.
Bendito quem possui as flores da Virtude.
Somente elas nos dão,
A paz do coração e a eterna juventude!...

(Poesia de Carmem Cinira – psicografia de Jorge Rizzini)


ESSE POEMA FOI ENVIADO PELA AMIGA PAULA